i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Hack pelo Futuro

Digitalização é a chave para a reinvenção do comércio pós-Covid

  • PorDaliane Nogueira
  • 20/04/2020 21:55
Comércio precisa se digitalizar para poder buscar novos caminhos após a crise do novo coronavírus.
Comércio precisa se digitalizar para poder buscar novos caminhos após a crise do novo coronavírus.| Foto: Bigstock

Encontrar respostas para o pós-crise, estando no meio da crise. Não é fácil, mas o momento pede e os empreendedores e inovadores estão com a energia canalizada para isso em todas as áreas. No comércio de bens e serviços, não é diferente.

Na noite desta segunda-feira (20) Robson Privado, da MadeiraMadeira; Beto Madalosso, da Tutano Gastronomia e proprietário de diversos restaurantes; e Andrea Sorgenfrei, head de conteúdo da Pinó, da Gazeta do Povo, debateram como a crise do novo coronavírus tem afetado o consumo e mudado os hábitos das pessoas.

Essa foi a primeira palestra motivacional do Hack Pelo Futuro, um hackaton proposto pelo Governo do Estado do Paraná que busca soluções inovadoras. O evento teve a mediação de Henrique Domakoski, superintendente de Inovação do Paraná e conta como apoio do Gazz Conecta e da Gazeta do Povo.

Entre os três convidados, um consenso: a certeza de que o mercado consumidor será outro, o consumo de experiências deve mudar e os negócios precisam aproveitar esse período de fechamento e quarentena para se reinventar. E a chave da mudança está na digitalização dos negócios, procurando formas simples de atender no mundo online.

“A gente pensa que é preciso ter um pensamento de crise o tempo todo, para se provocar, pensar diferente. Com a crise concreta, nosso pensamento é focar naquilo que a gente controla. Não sabemos quando isso vai acabar. Então estamos observando o que é possível reduzir em custos fixos e variáveis e buscando uma adaptação rápida, preservando sempre a saúde nossa, dos colaboradores e clientes”, apontou Privado, que é co-fundador do marketplace que atualmente é o maior player de móveis online, com 1,2 milhão de itens no site.

Para Madalosso, será inevitável a necessidade de simplificar o serviço nos restaurantes, reduzindo carta de vinhos e outros itens que podem encarecer a operação. “As pessoas voltarão a consumir, a ir para o restaurante, a querer esse contato social, mas o ritmo será menor, pelo menos na retomada, até porque teremos uma crise econômica.”

Crise que deve afetar diversos negócios. Andrea, ponderou o papel da comunicação neste processo. “Estamos diante de uma série de questionamentos, pensando se faz sentido alguns projetos que temos em vista. É hora de entendermos como a comunicação vai ajudar tando o novo consumidor, como os empresários de vários ramos de atividade.”

Nessa esteira, as plataformas que fazem parte da Pinó, lançaram um série de projetos que buscam atender essas novas necessidades. É o caso do Seja Bom, um programa de comercialização de vouchers para restaurantes; o Redescubra a Cozinha, que busca ampliar a relação das pessoas com o preparo dos alimentos; e o Manifesto HAUS, que apresenta formas simples de as pessoas ressignificarem suas casas durante a quarentena.

Como um dos fundadores de um negócio que nasceu no mundo digital, Robson fez uma importante ponderação sobre a digitalização dos negócios. "As pessoas acham que a digitalização do negócio é muito complexa, mas até as padarias mais simples, dos bairros estão se adaptando, conversando com clientes por aplicativos de mensagens. A crise vai acabar, pense que a digitalização de um negócio é uma coisa simples. Há muito conteúdo gratuito, há muita gente querendo ajudar. "

Empreender na crise?

Os dois jovens empreendedores gozam de experiências bem-sucedidas no comércio de bens e serviços. Ao serem perguntados sobre se este seria um bom momento para empreender, ambos classificam como sendo um bom desafio a ser encarado. “Empreenda do tamanho que você consegue empreender. No setor da gastronomia há muitos casos assim, com pouco recursos e muito trabalho. Quem empreende agora, nasce para um futuro promissor”, coloca Beto. Robson foca sua fala para os que já têm negócios.

“Pense em como reinventar o seu negócio agora, fechado. Não tenha ansiedade para reabrir. Há muitas iniciativas possíveis. Procure o que outros restaurantes ou outros negócios estão fazendo mundo afora. Não pense em tentar controlar o que vai acontecer, trabalhe com a realidade que você tem na sua mão. Use as facilidades do mundo digital. Olhe o problema e tente se mover mais rápido. Não tem ideia errada agora.”

Novas formas de trabalhar

Tanto Beto Madalosso quanto Robson Privado acreditam que o momento de crise é o ideal para a reinvenção dos negócios, por mais batida que essa máxima pareça, ela se revela especialmente necessária agora.

“Eu tinha certeza de que precisava ir além do delivery. Lançamos então pizzas e massas congeladas. Não é um produto novo no mercado, mas é novo para o nosso negócio. No Madá (pizzaria que leva a assinatura do chef) vendemos 30 pizzas para uma mesma pessoa, algo pouco provável no serviço tradicional. Tenho certeza que isso será um novo negócio para nós”, contou Madalosso.

A preocupação dele com o delivery também se estende ao bem-estar dos entregadores, que estão entre os profissionais expostos à contaminação por coronavírus. “Buscamos ter a responsabilidade social de proteger esses entregadores, ampliando a segurança para eles.”

Robson Privado conta que o trabalho nas últimas semanas têm sido intenso. “Sentimos que todos estão muito engajados, dando o seu máximo. Agora precisamos entender como será esse novo normal do mundo do trabalho. A crise encurtou a revolução digital, coisas que aconteceriam em cinco anos, acontecerão em seis meses, no máximo.” Para o empreendedor esse “novo normal” se dará em até 18 meses depois do fim da pandemia. “Esse será um prazo para entendermos como as pessoas vão se comportar.”

O profissional da MadeiraMadeira, apontou que algumas pessoas vão perder seus empregos e haverá receio de consumo imediato. "As empresas precisarão entender esse novo mercado. Será um desafio manter a conexão com o cliente, estar perto das pessoas", comenta afirmando que a marca segue com a perspectiva de investimento em lojas físicas [a primeira foi inaugurada no início de 2020, em Curitiba], mas aguardarão a segurança sanitária necessária.

Robson faz ainda outra consideração sobre o futuro. "A verdade é que sairemos dessa crise mais pobres. É hora de responsabilidade social, de ajudar famílias vulneráveis. É preciso essa reflexão, para sairmos dessa crise mais rápido. Vamos olhar e pensar em dividir mais, abrir-se mais para a solidariedade", finaliza.

Hack pelo Futuro

O projeto foi lançado no dia 16 de abril pelo Governo do Estado do Paraná e busca selecionar ideias que possam minimizar os impactos da da Covid-19 em diversas áreas, como a saúde, economia, comércio, serviços.

Para motivar e inspirar os interessados, haverá palestras online até o dia 24 de abril com insights sobre o enfrentamento a períodos de crise. As palestras acontecerão sempre às 19 horqas no site do hackathon. É preciso fazer inscrição prévia gratuitamente.

Os bate-papos são abertos ao público e os conteúdos poderão ajudar os participantes do hackaton a compreenderem seus desafios para que possam propor soluções criativas e inovadoras durante a competição online.

“O hackaton vai permitir ter pessoas que possam ver se o seu negócio é viável, se é o momento de lançá-lo. É uma grande oportunidade para quem quer empreender.

Próximos eventos: cronograma e convidados

Dia 21/04

MOBILIDADE URBANA PÓS PANDEMIA
Mediadora: Marcela Lachowski, Dev. de Negócios & Relação Corporativa em JUPTER
Flávio Tavares | Welcome Tomorrow Mobility Conference
As cidades do futuro. Novos modelos de deslocamento.
Silvia Barcik | Renault do Brasil
As empresas automobilísticas do futuro. Um novo relacionamento com o transporte.
Bruno Montejorge | Ifood
O novo delivery de experiências. Negócios se aderindo ao mercado de entregas.

Dia 22/04

FUTURO DA SAÚDE PÓS-CORONAVÍRUS
Mediador: Nestor Werner Junior, diretor-geral da Secretaria de Estado da Saúde/PR
Marcus Figueredo | Hi Technologies
A relação entre saúde e tecnologia. O futuro da pandemia.
Caroline Cavet | Caroline Cavet Advocacia
A base jurídica da telemedicina. Um novo relacionamento entre médico e paciente.

Dia 23/04

FUTURO DO ENTRETENIMENTO PÓS-CORONAVÍRUS
Mediadora: Ilana Lerner, diretora da Biblioteca Pública do Paraná
Giovana Alcântara | Kantar Ibope Media
Os impactos e as mudanças no comportamento da sociedade.
Felipe Guerra | Jaime Lerner Arquitetos Associados
Preparando as cidades. Reconfiguração dos espaços e áreas públicas.
Leandro Knopfholz | Diretor de Ação Cultural da Fundação Cultural de Curitiba
Culturas emergentes em novos formatos. Novas expressões da cultura digital.

Dia 24/04

TENDÊNCIAS DO MERCADO
Mediador: Gian Rocco, assessor de Inovação da Celepar
Luana Toniolo | TROC
O consumo consciente. Novas oportunidades de emprego.
Michel Costa | Diretor Founder Institute
Investimentos em novos negócios. Empresas e startups do futuro.
Fabio Araujo | Brain Inteligência Estratégica
Tendências do mercado de bens de consumo. Um novo consumidor com novas necessidades.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.