i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Superação

Por que Casagrande é o grande vitorioso da Copa do Mundo

O cérebro humano é desenhado pela evolução para buscar o prazer — o que muitas vezes leva ao vício. Mas exemplos como o do comentarista da Globo mostram que a vontade é mais forte que a natureza

  • 16/07/2018 14:11
Walter Casagrande, comentarista de futebol da Rede Globo | Ramon Vasconcelos/Rede Globo
Walter Casagrande, comentarista de futebol da Rede Globo| Foto:

Neste domingo, nos momentos finais da transmissão da partida que decidiu a Copa do Mundo, entre França e Croácia, o ex-jogador e comentarista da Rede Globo Walter Casagrande fez um desabafo emocionante.

Ele disse que o Mundial da Rússia foi o mais importante da sua vida. “Eu saí do Brasil com um objetivo e cumpri. Que era ir e ficar sóbrio durante toda a Copa. E eu consegui”, afirmou.

Galvão Bueno não conseguiu evitar se emocionar também e, com a voz já embargada, disse ao colega: “não começa a chorar que eu choro também”. Desde os anos 1980, quando ainda jogava no Corinthians, Casagrande trava uma luta contra a dependência química. Passou por momentos sombrios e de imensa dificuldade, como relatou no livro “Casagrande e Seus Demônios”.

Nossas convicçõesÉtica e a vocação para a excelência

O vício em cocaína e heroína lhe rendeu overdoses (no plural mesmo), internações e até uma prisão em flagrante, além de diversos momentos humilhantes. Seu casamento foi destruído. Mas, ao assumir o problema e procurar tratamento, Casagrande começou a dar a volta por cima, até chegar no momento catártico deste domingo.

Batalha contra a natureza

Em seu livro, Casagrande alerta que o vício pode acometer qualquer um. Isso acontece porque o ser humano foi desenhado para o vício: drogas, jogatina, comida, internet. Nosso cérebro possui uma área desenhada para o prazer, chamado sistema de recompensa cerebral. Durante a evolução humana, aprendemos a buscar prazer em variadas substâncias, seja uma taça de vinho, um hambúrguer bem gorduroso ou mesmo pensamentos agradáveis.

Quando o cérebro recebe tais estímulos, libera um neurotransmissor chamado dopamina. Ele é o responsável pela sensação de bem-estar e também o gatilho do vício. Ao consumir drogas, grandes descargas de dopamina são liberadas no sistema de recompensa cerebral. Para satisfazer essa região, as doses subsequentes precisam ser cada vez maiores, aumentando o risco de overdoses. É como se o cérebro, a cada novo consumo, exigisse quantidades maiores de dopamina para obter o mesmo prazer.

Nossas convicçõesA finalidade da sociedade e o bem comum

Cada indivíduo possui “chaves” no cérebro que determinam a suscetibilidade às drogas. Quando todas essas chaves se encaixam nos receptores cerebrais, fica maior a chance de sucumbir ao vício. E todas as drogas, até cigarros comuns, possuem uma capacidade absurda de virar as chaves certas no cérebro.

O modo como a região do cérebro responsável pelo prazer foi descoberta ilustra bem o poder das drogas no cérebro e nossa fragilidade diante delas.

Em 1953, cientistas canadenses colocaram eletrodos no cérebro de ratos de laboratório. Colocaram um deles numa caixa em que os quatro cantos tinham letras diferentes: A, B, C e D. Para treinar a cobaia, toda vez que ele se dirigia ao lado A, os cientistas davam um choque no cérebro. O ratinho continuou indo ao lado A e mesmo no dia seguinte, quando não recebia mais choques, se mostrou mais interessado no A.

Peter Miner e James Olds, os cientistas responsáveis pelo experimento, acharam que haviam encontrado a região do cérebro responsável pela curiosidade. Ao perceberem que o rato continuava voltando ao lado A para ser constantemente estimulado, começaram a desconfiar. Passaram a administrar o choque no cérebro quando ele se dirigia ao lado B. Em apenas cinco minutos ele passou a preferir o B.

Mudaram o experimento para entregar ao rato três estímulos diferentes: ele podia apertar uma alavanca com a pata para receber comida, outra para água e mais uma para ter o cérebro estimulado com o choque. Mesmo com fome ou sedento, o rato não parava de apertar o botão da estimulação cerebral — até impressionantes sete mil vezes por hora. Foi então que descobriram o que se passava: haviam descoberto o circuito de recompensa cerebral.

Nossas convicçõesOs responsáveis pelo bem comum

O cérebro muitas vezes toma decisões erradas. Mas humanos não são ratos. Vários fatores ajudam a escapar do vício. Há diversas pesquisas médicas que apontam saídas, muitas vezes usando o mesmo mecanismo de recompensa que ajuda a viciar.

Por isso a história de Casagrande é tão poderosa. Ele caiu, se recuperou, caiu e levantou novamente. Como ele mesmo admite em seu livro, “é uma história sem fim e nada garante que ganhará novamente caso volte a ter uma recaída. Até mesmo porque os campeões envelhecem e a tentação é eterna.” Neste domingo, no entanto, Casagrande ganhou uma Copa do Mundo pessoal, fruto de muita luta. Uma luta que diz respeito a todos.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.