i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Justiça

A legalização do homicídio

  • PorTheodore Dalrymple
  • 13/01/2020 13:46
Uma decisão de um tribunal francês sobre o assassinato de Sarah Halimi por um usuário de drogas pode criar um precedente assustador.
Uma decisão de um tribunal francês sobre o assassinato de Sarah Halimi por um usuário de drogas pode criar um precedente assustador.| Foto: Pixabay

A decisão recente de um tribunal francês pode, se usada como precedente, legalizar o homicídio – desde que o ato tenha sido cometido num estado de insanidade temporária causada pela intoxicação por maconha.

Em 2017, Kabili Traoré, muçulmano de origem malaia e que não tinha histórico psiquiátrico, mas uma extensa ficha criminal, com 22 condenações — incluindo roubo, tentativa de roubo, tráfico de drogas e posse ilegal de armas —, entrou no apartamento de Sarah Halimi, uma judia de 66 anos, torturou-a e depois a jogou pela sacada. Traoré parecia estar numa espécie de transe religioso, porque ouviram-no gritar “Allahu Akbar” e “Matei Shaitan” (Satã). Não há dúvidas de que ele estava em surto psicótico na ocasião, nem que seu surto psicótico foi causado pelo uso da maconha.

O tribunal inocentou Traoré de todos os crimes porque ele estava em surto ao cometer o assassinato, mas o sentenciou a passar 20 anos num hospital psiquiátrico. A decisão provocou temor, repúdio e zombaria. Mas, do ponto de vista estritamente jurídico, o tribunal talvez estivesse certo. De acordo com o código penal francês, um homem não pode ser considerado criminalmente responsável se seu “discernimento” estiver prejudicado por um estado psiquiátrico ou neuropsiquiátrico. O código não torna a intoxicação voluntária uma exceção à regra.

Claro que o que constitui a perda do discernimento é, em si, uma questão de discernimento. Traoré sabia, por exemplo, que sua vítima era judia (ela era a única judia do quarteirão, e ele sabia disso); ele também sabia que ia matá-la. Ele deve ter percebido, ainda que intermitentemente, que estava cometendo uma ilegalidade, porque em certo momento ele gritou que tinha sido suicídio e que a polícia deveria ser chamada. Por outro lado, é improvável que ele tivesse feito o que fez se não estivesse em surto psicótico.

Além disso, a defesa argumentou que Traoré não sabia que o uso dessa droga teria o efeito que teve sobre ele nessa ocasião, e por isso ele não era culpado do crime pelo qual estava respondendo. Afinal, ele fumava maconha desde os 15 anos, sem qualquer episódio psicótico. Portanto, apesar de o consumo de droga ter sido voluntário, a psicose resultante foi involuntária.

Este é um argumento constrangedoramente sofista. Se um homem usa uma droga ilegal, claro que ele é responsável por todos os efeitos da droga, tanto os esperados quanto os inesperados, os desejados e indesejados. Mas o tribunal levou o argumento da defesa a sério.

A jurisprudência francesa é bastante confusa e inconsistente quanto à questão da intoxicação por maconha. Se alguém provoca um acidente fatal sob o efeito de drogas, isso é considerado um agravante, e não uma justificativa ou atenuante. Assim, a intoxicação por maconha agrava um acidente mas (com base na decisão recente) justifica um assassinato: uma doutrina curiosa, para dizer o mínimo.

O tribunal também tratou da questão do homicídio ter sido motivado por antissemitismo – um agravante, de acordo com a lei francesa — e concluiu que foi, sim. A defesa argumentou que não, que Traoré só foi antissemita por causa do seu estado psicótico. Desse modo, era apenas uma coincidência o fato de sua vítima ser a única judia do prédio. Isso não apenas contradizia seus antecedentes como também ignorava o fato de que o conteúdo das ilusões das pessoas reflete a cultura, ou subcultura, na qual elas vivem. Na verdade, não poderia ser diferente: uma pessoa do século XVII sofrendo de ilusões paranoicas jamais diria estar sendo perseguida pela KGB ou CIA. E, como Thomas De Quincey diz em seu Confessions of an English Opium Eater [Confissões de um consumidor de ópio inglês], de 1829: “Se um homem que só fala sobre bois passar a consumir ópio, ele provavelmente... sonhará com bois”.

Traoré pode estar à solta em poucos anos, apesar de o tribunal tê-lo mandado para um hospital psiquiátrico e o sentenciado à internação por 20 anos. Se dois psiquiatras independentes concluírem que ele não está mais psiquiatricamente doente e não oferece perigo, ele pode ser libertado bem antes — e dois psiquiatras quase com certeza farão isso bem antes do fim da sentença.

A revista francesa L’Express, que tem uma tiragem enorme, perguntou: “Quem, então, supervisionará Traoré?” A resposta, depois que ele deixar o hospital, já é sabida para além de qualquer dúvida razoável: ninguém. Isso porque tal supervisão é impossível. Na verdade, Traoré já conseguiu comprar a droga de sua preferência dentro do hospital de segurança máxima onde era mantido preso.

De qualquer forma, em minha opinião não deveria haver dúvida sobre supervisioná-lo depois de solto porque ele não deveria ser solto jamais. Enquanto ele permanecer psicótico por causa do efeito da maconha – que pode durar bastante – ele deveria ser tratado num hospital. Quando melhorar, ele deveria ser mandado para a prisão e lá ficar pelo restante da vida, sem possibilidade de soltura.

Na verdade, a lei e os magistrados franceses habilmente puseram a responsabilidade sobre o caso nos médicos, que não têm responsabilidade alguma. O código penal deveria ser reformado para que os tribunais não fizessem isso novamente e para que os efeitos da intoxicação voluntária por maconha não fossem usados como defesa.

Theodore Dalrymple é editor colaborador do City Journal, ocupa a cadeira Dietrich Weismann no Instituto Manhattan e é autor de vários livros.

© 2020 City Journal. Publicado com permissão. Original em inglês
14 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 14 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • M

    Maquiavel

    ± 2 dias

    França virando um lixo de país...

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    1 Respostas
    • M

      Maquiavel

      ± 2 dias

      Do jeito que este país vai, ser judeu na França é correr risco de morte! Melhor se mudar antes que seja tarde demais...

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

  • E

    Eduardo

    ± 2 dias

    E a gazeta, mais uma vez, publica um texto que claramente não foi revisado. Se foi, deve reconsiderar quem está trabalhando no setor editorial. Os erros de concordância e palavras erradas tornam a leitura praticamente impossível. Lamentável um jornal dessa importância cometer um erro tão juvenil.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • E

      eneida

      ± 2 dias

      A França há muito tempo vai de mal a pior. E é neste modelo francês falido que o Brasil se inspira.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • M

        Marisa Barreto

        ± 2 dias

        A todo momento lendo este texto eu me pergunto: e a vítima? E a família da vítima? Preocupam-se tanto em estipular a culpa ou o dolo do agressor, e se esquecem que a justiça também serve para reparar danos às vítimas, não só punir autores de crimes. Esse pensamento francês é totalmente irresponsável, deveriam estudar um caso prático chamado Rudolph Giuliani.

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        • H

          Henrique Barros

          ± 2 dias

          Esse cara nunca tem um texto ruim.

          Denunciar abuso

          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

          Qual é o problema nesse comentário?

          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

          Confira os Termos de Uso

          • C

            Carlos Indio do Brasil de Paula Neves.

            ± 2 dias

            A islamização da França é dita como certa. Estão se perdendo definitivamente. O país que foi palco da revolução francesa, do iluminismo e tantas outras aberturas de portas para a humanidade, está agora a beira do abismo. É o excesso de abertura às ideias podres como socialismo por exemplo, isso destrói qualquer país.

            Denunciar abuso

            A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

            Qual é o problema nesse comentário?

            Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

            Confira os Termos de Uso

            • B

              Bruno Carneiro

              ± 2 dias

              A França já era. Em breve será uma favela controlada por muçulmanos, ou socialistas.

              Denunciar abuso

              A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

              Qual é o problema nesse comentário?

              Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

              Confira os Termos de Uso

              • D

                Decio mango

                ± 2 dias

                Muçulmano maconheiro deveria ser enforcado em praça publica

                Denunciar abuso

                A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                Qual é o problema nesse comentário?

                Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                Confira os Termos de Uso

                • G

                  GRU

                  ± 2 dias

                  A Europa socialista está completamente perdida em suas decisões e já não tem nenhum valor que a ajude a encontrar o rumo

                  Denunciar abuso

                  A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                  Qual é o problema nesse comentário?

                  Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                  Confira os Termos de Uso

                  • J

                    JOSIL

                    ± 3 dias

                    Boa parte da humanidade está insana. O sujeito conscientemente usou uma droga, maconha, que comprovadamente pode provocar um surto psicótico, que poderá levá-lo a fazer algo insano. A defesa argumentou que embora o consumo da droga foi voluntário, o surto, a psicose foi involuntária - ele, o assassino, não desejava isso, portanto poderia matar a vontade, como matou; foi inocentado. Entendeu? Não? Nem eu. Mas, os hipócritas, os Pilatos de hoje cinicamente lavaram as mãos.

                    Denunciar abuso

                    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                    Qual é o problema nesse comentário?

                    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                    Confira os Termos de Uso

                    3 Respostas
                    • E

                      Eduardo

                      ± 2 dias

                      jonny liebl: Intolerância religiosa só existe se a vítima for do candomblé ou muçulmana. Pra esse pessoal não existe intolerância contra judeus e cristãos. Como já vi muitos esquerdistas falarem: “ninguém morre por ser cristão”. É de cair o cu da bunda

                      Denunciar abuso

                      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                      Qual é o problema nesse comentário?

                      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                      Confira os Termos de Uso

                    • T

                      Thomas

                      ± 2 dias

                      Aproveitem para viajar para Paris enquanto ela não é destruída. Paraíso dos rastaqueras e “intelectuais” brasileiros, ela se transformou num centro acadêmico repleto de gente “do bem”. É proibido proibir! Faça o que você quiser, dane-se a sociedade capitalista opressora. A questão da punição por insanidade voluntária sempre foi objeto de discussão, predominando o entendimento de que se a pessoa voluntariamente se droga responde pelo crime praticado durante a insanidade. Mas daqui a pouco a corrente progressista começará a defender a absolvição do gambá que mata pessoas no volante. E é defensável essa teoria. Numa sociedade insana não seria razoável punir pessoas que agem insanamente.

                      Denunciar abuso

                      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                      Qual é o problema nesse comentário?

                      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                      Confira os Termos de Uso

                    • J

                      jonny liebl

                      ± 2 dias

                      Surto psicótico devido à maconha? Não. Francesada, conte outra. Intolerâncias racial e religiosa, sim. Punição severa nele.

                      Denunciar abuso

                      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                      Qual é o problema nesse comentário?

                      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                      Confira os Termos de Uso

                  Fim dos comentários.