i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Ganhos

Paraná pode arrecadar R$ 1,4 bilhão a mais com reforma tributária

  • Carlos CoelhoPor Carlos Coelho
  • 17/01/2020 17:06
Paraná pode arrecadar R$ 1,4 bilhão a mais com reforma tributária
| Foto: Divulgação/ACSP

O Paraná pode ser um dos beneficiados caso a reforma tributária avance no Congresso Nacional nos moldes em que está proposta. Isso porque, de acordo com um estudo do Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada (Ipea), o estado tende a aumentar a fatia que recebe do bolo dos impostos recolhidos no Brasil. É um dos únicos estados ricos a ter aumento de repasses – a ideia por trás da mudança é justamente o oposto: melhorar a divisão em favor das unidades pobres da federação.

RECEBA notícias pelo whatsapp

Com alto PIB per capita (R$ 35.460), o sétimo do país, o Paraná pode ganhar R$ 1,4 bilhão a mais por ano em repasses tributários no novo modelo, que unifica tributos federais, estaduais e municipais. “Os estados mais ricos da Federação (entre os quais estão alguns do Centro-Oeste, pelo seu elevado PIB per capita) tendem a perder R$ 27,5 bilhões, embora Rio de Janeiro, Distrito Federal e Paraná sejam potenciais ganhadores”, apontam os autores do estudo, Rodrigo Orair e Sergio Gobetti .

O cálculo é feito projetando os valores de arrecadação com base no que Federação, estado e municípios arrecadam hoje, com os atuais impostos cobrados. Veja quem ganha e quem perde com a reforma.

União de tributos

A reforma tramita no Congresso em duas propostas de emenda à constituição (PECs), uma na Câmara (45/2019) e outra no Senado (110/2019). Embora a proposta do Senado seja mais abrangente e avance também sobre renda, a matriz de ambas é unir os principais tributos federais – o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), Programa de Integração Social (PIS)/Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins) –, estaduais – Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) –, e municipais – Imposto sobre Serviços (ISS) – em um único tributo: o Imposto sobre Bens e Serviços (IBS). Ele teria uma alíquota estimada em 27%.

“O objetivo prioritário de ambas [as PECs] é promover a migração para um novo modelo com dois impostos: um imposto moderno sobre o valor adicionado, batizado de IBS; e um Imposto Seletivo (IS) com incidência sobre bens específicos cujo consumo se deseja desestimular (bebidas alcoólicas, produtos do fumo etc.)”, define o Ipea. É o primeiro deles que terá mais impacto na economia brasileira.

O Paraná tenderia a receber mais dinheiro porque a mudança altera a forma de recolhimento do imposto. A cobrança é feita no consumo, e não na produção, como é feito geralmente. “Ganham justamente as UFs consumidoras líquidas, ou seja, que consomem mais do que produzem e, em geral, são as mais pobres”, diz o estudo.

Na outra ponta, São Paulo e Minas Gerais reduzem as suas fatias de forma considerável. Paulistas deixarão de receber R$ 21 bilhões, enquanto mineiros reduzirão sua arrecadação em R$ 4 bilhões.

Fim da guerra fiscal

Outro grande ponto de discussão das propostas é o impacto nas finanças de estados e municípios, já que substitui seus principais impostos, ICMS e ISS. Nos modelos propostos, as unidades da federação até podem mexer nas alíquotas de cobrança do imposto no estado e município, mas não podem conceder benefícios fiscais sem aprovação de uma autoridade regulamentadora a ser criada. Isso pode acabar com a guerra fiscal entre os estados – situação que o Paraná sofreu nos últimos anos, com a saída de empresas para Santa Catarina, que tem regime de ICMS mais favorável em algumas áreas.

Comparativos

Quem mais ganha com a reforma?

  • Pará: R$ 5,6 bilhões
  • Maranhão: R$ 4,2 bilhões
  • Bahia: 3,8 bilhões

Quem mais perde?

  • São Paulo: R$ 21,2 bilhões
  • Minas Gerais: R$ 4 bilhões
  • Rio Grande do Sul: R$ 2,5 bilhões
1 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 1 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • J

    jose abel brina olivo

    ± 0 minutos

    a proposta não atende aos princípios republicanos, tanto é que o rio grande do sul, que já passa por sérias dificuldades sofrera ainda mais.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso