O apresentador de TV Luciano Huck.
Apresentador de TV Luciano Huck transita entre políticos da direita à esquerda em busca de apoio e conselhos.| Foto: Sandra Blaser/World Economic Forum

Assim como sua candidatura à Presidência da República, o campo político em que o apresentador de TV Luciano Huck pretende construir suas alianças ainda gera incertezas no meio político. Visto como anti-PT e anti-Bolsonaro, Huck flerta com nomes da direita, da esquerda e do centro, no intuito de formar uma candidatura viável para 2022.

Apesar disso, Luciano Huck dá sinais de qual é seu posicionamento político por meio de postagens nas redes sociais, de entrevistas ou de artigos publicados em jornais. Nessas manifestações, apesar de fazer acenos para os liberais, cada vez mais o apresentador se alinha com bandeiras da esquerda ou centro-esquerda.

A Gazeta do Povo elencou alguns dos principais posicionamentos políticos de Luciano Huck. Confira:

Críticas ao governo Bolsonaro

Para antagonizar com Jair Bolsonaro, Luciano Huck começou a subir o tom nas críticas e a dar declarações mais contundentes contra o presidente da República.

Em janeiro, por exemplo, o apresentador chegou a convocar um “panelaço” contra o governo após a crise sanitária no estado do Amazonas. “Sem oxigênio, sem vacina e sem governo. Panelaço, sexta, 20h30. Brasil sufocado”, escreveu Huck nas redes.

Meses antes, ele já tinha chamado Bolsonaro de “autoritário”. "Autoritário e nada democrático. Por que tanto nervosismo?”, escreveu na ocasião.

“No PT jamais votei e nunca vou votar"

Ainda nas eleições de 2018, Luciano Huck fez uma live em suas redes sociais para dizer que não votaria em Fernando Haddad (PT), que naquela altura disputava o segundo turno contra Jair Bolsonaro. “No PT jamais votei e nunca vou votar", disse o apresentador.

Mas, em 2019, o apresentador elogiou as políticas sociais dos governos petistas. "Outro dia fui para Bom Jesus do Piauí. Lindo. Quando você vai para os vilarejos ali você entende, com todo o respeito, o Lula é muito respeitado ali. Você chega na casa do seu João e tem um fio que veio de longe pra caramba, uma geladeira que ele não tinha, uma cisterna que custou R$ 3 mil e trouxe água que ele não tinha também, a família tem R$ 180 do Bolsa Família porque não tinha renda nenhuma. Bem ou mal é o Estado e a política pública que chega na ponta”, disse o apresentador durante o Encontro de Líderes da Comunitas.

Liberal e progressista

No fim do ano passado, Luciano Huck se encontrou com empresários para tratar de sua candidatura. Segundo a CNN Brasil, o apresentador teria afirmado que não será um candidato “conservador”, mas disse por diversas vezes ter visão empresarial e alinhamento com o ideário liberal. Além disso, indicou que pretende se colocar como oposição ao presidente Jair Bolsonaro no campo dos costumes e tentar correr na raia “progressista e liberal”.

Na mesma linha, o apresentador já tinha defendido, em encontro com governadores e empresários, que o Estado brasileiro precisa aliar políticas sociais eficientes às ações liberais. "É óbvio que a gente tem que tentar construir um país eficiente em termos de gestão, mas ele tem que ser afetivo. Se a gente não cuidar das pessoas, este país vai implodir porque ele é muito desigual", disse Huck.

A posição de Luciano Huck sobre feminismo, homofobia e racismo

Além das sinalizações de que as pautas conservadoras não serão levadas em conta no seu governo, Luciano Huck faz cada vez mais acenos para o campo da esquerda. Recentemente, em artigo publicado no jornal Folha de S.Paulo, o apresentador afirmou que era preciso celebrar o avanço de algumas pautas progressistas.

“Precisamos celebrar ainda os avanços dos movimentos feministas, LGBTQIA+ e antirracistas, que conquistaram inédita centralidade na discussão pública apesar da misoginia, da homofobia e do racismo da narrativa desvairada palaciana desde a posse”, escreveu.

Preservação ambiental e agronegócio

No mesmo artigo publicado pela Folha de S.Paulo, Luciano Huck afirmou que, “apesar do negacionismo” do governo brasileiro, o Brasil pode reverter o desmatamento na Amazônia.

Na mesma linha, fez acenos para os empresários do agronegócio. “Aos poucos e aos trancos, produtores rurais percebem que a rastreabilidade e o plantio/pecuária sustentável são imperativos no mercado global. O sistema financeiro começa a estrangular o crédito de quem insiste em desmatar e ignora as diretrizes ESG, que cobram uma postura moderna em relação ao meio ambiente, ao desenvolvimento social e às práticas de governança. Nossas exportações vão bater recorde, nossa agroindústria se fortalece, debates sobre produção e sustentabilidade seguem mais vivos do que nunca apesar da tenebrosa política externa atual e da orientação federal de fazer “passar a boiada”, escreveu.

As diretrizes ESG são um conjunto de práticas ambientais, sociais e de governança que pode ser usado para guiar investimentos e escolhas de consumo focadas na sustentabilidade. O termo é uma sigla em inglês para "meio ambiente, sustentabilidade e governança".

Aliados divergem sobre o campo político de Luciano Huck

Apesar de se colocar como candidato de centro, Luciano Huck é visto de formas diferentes pelos seus aliados. Um dos principais entusiastas da candidatura do apresentador, o ex-presidente da Câmara Rodrigo Maia (DEM-RJ) afirmou, em entrevista ao site Poder360, que Huck pode ser o “novo” que a sociedade procura.

“Se ele [Bolsonaro] naufragar, a sociedade pode continuar procurando o novo. Aí você trata o Luciano [Huck] não como esquerda ou direita, mas como novo”. Além disso, Maia afirmou, naquela ocasião, que a “agenda econômica” do apresentador agradava a ele e ao DEM. O DEM e Maia defendem, na área econômica, uma série de políticas liberais – defendidas tipicamente pela direita.

Na contramão, o ex-governador Paulo Hartung, do Espírito Santo, disse no final do ano passado que o apresentador é de centro-esquerda. Hartung é amigo e conselheiro político do apresentador da TV Globo.

“O Luciano é de centro-esquerda, como eu. Alguém que tem sensibilidade com os problemas sociais e tem um conceito modernizado da ideia do Estado e da economia”, disse Hartung em entrevista ao jornal O Estado de S.Paulo.

149 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]