i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Pin Parental

Partido espanhol quer dar poder aos pais para vetar aulas sobre sexo

  • PorGazeta do Povo
  • 13/02/2020 20:19
“Pin Parental” dará poder de escolha aos pais espanhóis
“Pin Parental” dará poder de escolha aos pais espanhóis| Foto: OSCAR DEL POZO / AFP

Os pais espanhóis podem ter a possibilidade de vetar aulas sobre sexo e outros temas e ainda decidir se o filho participará ou não de atividades escolares de qualquer assunto do qual a família discorde da abordagem. Essa é a proposta de um grupo de políticos espanhóis de direita, apelidada de “Pin Parental” - como também é chamada uma ferramenta de bloqueio de programas de TV paga na Espanha -, que quer dar esse poder de escolha aos pais sobre o que a criança deve ou não aprender na escola.

Se aprovada, a medida apresentada pelo Vox - partido de direita, terceiro maior da Espanha nas eleições do ano passado - terá início com o tema da educação sexual na escola. O partido acusa professores de tentar doutrinar alunos, já que as aulas incluem assuntos LGBTs (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transgêneros).

Já a oposição espanhola sustenta que esse tipo de conteúdo não incomoda as famílias e afirma que essas são atividades obrigatórias. Mas, enquanto o debate acontece, várias entidades conservadoras se mobilizam a favor da proposta na porta das escolas, distribuindo panfletos que acusam os educadores de doutrinação e defendem que os pais deveriam, sim, retirar os filhos dessas atividades.

A ideia do “Pin Parental” avança na Espanha desde as últimas eleições. O Vox já conseguiu implantar parcialmente essa proposta na região de Múrcia, no sul do país, para atividades complementares. Na capital Madri, a ideia está em discussão, mas já tem o apoio do prefeito José Almeida, do Partido Popular (PP), maior legenda de direita do país.

Já o presidente do governo da Espanha, o socialista Pedro Sánchez, é contra a medida e considera que é inconstitucional. A legislação espanhola determina que a formação escolar contemple várias linhas de pensamento, desde a diversidade sexual, o combate ao preconceito e à violência de gênero. A Constituição espanhola, por sua vez, garante aos pais o direito de que os filhos tenham uma formação religiosa de acordo com suas convicções.

A Federação Estadual de Lésbicas, Gays, Trans e Bissexuais (FELGTB), de Madri, declarou que “o Ministério da Educação tem a obrigação de garantir que todos os estudantes, independentemente, da opinião de suas famílias, recebam treinamento na diversidade da LGTBI, além de proteger as crianças de possíveis violências familiares ou da negação de acesso a informações motivadas pela LGTBIphobia".

Como funciona o “Pin Parental” em Múrcia

Com o “Pin Parental”, as escolas passam a informar aos pais as atividades complementares, para que possam dar seu consentimento aos filhos. Atualmente, as escolas já solicitam a autorização deles para atividades simples, como uma viagem escolar.  Mesmo assim, em algumas escolas de Múrcia, professores se recusam a pedir a autorização dos responsáveis.

O Vox desenvolveu uma campanha para promover o “Pin dos pais nas mãos dos pais”. O partido explica que o “Pin Parental” é um pedido dirigido aos diretores dos centros educacionais em que é solicitado o endereço para informar previamente, por meio de uma autorização expressa, sobre qualquer assunto, conversa, oficina ou atividade que pode afetar questões morais socialmente controversas ou sobre a sexualidade, “que podem ser intrusivas à consciência e à intimidade das crianças e adolescentes, para que como pai ou mãe possa conhecê-los e analisá-los antecipadamente, refletir sobre eles e com base nisso dar seu consentimento ou não, para que o filho participe desse treinamento”.

1 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 1 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • W

    Willian Cardoso de Souza Jesus

    ± 0 minutos

    Essa questão, ao meu ver, é mais simples do q muitos acreditam ser...a educação dos filhos deve ser um direito e dever dos pais, e não do Estado. O Estado não deve interferir no que e quando meu filho irá aprender sobre sexo, drogas e outros conteúdos mais polêmicos. Tudo isso tem a ver com vida privada e não pública. Portanto, qualquer interferência do Estado e tentativa de tornar obrigatório tais ensinos, ao meu ver, consiste sua intromissão na vida íntima da família. Ele querendo dizer para os pais oq é melhor ou não para seus filhos. Isto é característica de Estados autoritários e/ou totalitários. O PT já mostrou o quão perigoso é transferir esse poder educacional para o Estado...

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso