i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Setor elétrico

Cálculo do preço da energia muda em janeiro. Veja como isso afeta os consumidores

  • 30/12/2020 19:48
Parque eólico Brisa Potiguar da Copel em São Miguel do Gostoso a 120 quilometros de Natal do Rio Grande do Norte. Usina eólica no Rio Grande do Norte - estação eólica da Copel
Diversificação da matriz de geração, com crescimento de usinas como as eólicas, motivou mudança no cálculo do preço da energia.| Foto: Albari Rosa/Arquivo/Gazeta do Povo

Entra em vigor a partir de 1º de janeiro de 2021 uma nova forma de cálculo de preço da energia elétrica, motivada pela forte expansão da produção . A mudança ocorrerá no chamado Preço de Liquidação das Diferenças (PLD) e, nesse primeiro momento, atinge consumidores do chamado mercado livre – aqueles que têm grande consumo, como a indústria e parte do comércio, e optam por negociar contratos diretamente com os geradores de energia. No mercado regulado, que inclui todos os consumidores residenciais, o impacto da alteração será reduzido.

O PLD é o valor de referência utilizado pela Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) para precificar a diferença entre o montante formalizado nos contratos do setor elétrico e o consumo real de energia. Em outras palavras, é por meio do PLD que a CCEE define quanto os consumidores do setor devem pagar quando a quantidade de energia efetivamente consumida for maior do que a prevista no contrato com o gerador.

Atualmente, o PLD é calculado semanalmente, com base em estimativas. Nos modelos que utiliza, a CCEE considera as variações de consumo com base nos chamados patamares, divididos em leve (quando há menos demanda), médio e pesado (quando a demanda é maior).

Com o PLD horário, a revisão de preços ficará mais precisa, já que ocorrerá diariamente.

Os motivos da revisão e as possibilidades abertas pelo PLD horário

Edmilson Ferreira, especialista em Gestão de Mercado da CCEE, explica que o cálculo horário já ocorre em "mercados avançados e maduros". "Olhando o preço diário, conseguimos ter uma noção melhor do perfil de geração das usinas e da variação da demanda ao longo do dia. Com isso, a precificação do custo de energia vai ficar mais realista", explica.

A mudança vem sendo gestada pela CCEE há anos, e começou a ser introduzida em 2019. A principal motivação foi a transformação na matriz de geração do país. Ainda que a maior parte da potência instalada seja em usinas hidrelétricas – que têm maior previsibilidade –, houve crescimento de outras formas de geração, como a eólica e a solar.

O cálculo mais frequente do preço deve fazer com que os consumidores do mercado livre possam planejar melhor a demanda – optando, por exemplo, por concentrar o uso de energia em períodos nos quais o preço é mais baixo.

"Essa mudança vai introduzir um sinal econômico bastante importante para novas operações e investimentos. O ideal seria que a carga fosse modulada de forma que a gente pudesse achatar os picos de consumo", avalia Manoel Eduardo Negrisoli, um dos diretores do Grupo Mercados Energéticos (ME) Consultores.

Por que a mudança – ainda – não tem impacto sobre os consumidores residenciais

A alteração no cálculo do PLD não deve ter impacto imediato sobre o mercado cativo, que inclui os consumidores residenciais. Isso porque os contratos de compra de energia, originados dos leilões, compreendem períodos maiores de tempo. "As distribuidores já têm uma certa blindagem a essa variação de preço nas próprias cláusulas contratuais", explica Ferreira, da CCEE.

Alejandro Arnau, diretor-geral da ME Consultores, explica que, por isso, o impacto deve ser de médio e longo prazo para os consumidores residenciais. "As empresas têm energia comprada até 2025, com preços fixados nos leilões", detalha.

O consumidor do mercado cativo pode sentir a mudança de forma mais direta se, no futuro, se concretizar a abertura do mercado. Por enquanto, ainda não há previsão de quando a compra e venda de energia elétrica no país será completamente livre.

6 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 6 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • X

    Xicote

    ± 7 horas

    Em 2023 vence a divida de Itaipu ..apos essa data a energia produzida nao sera mais pelo preco de custo ..os hermanos poderao vender pelo preco que quiserem ...acho que esse negocio de amizade entre povos é conversa pra boi dormir !!! Bozo vai resolver esta questao em 2022 ????

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • P

      Plinio

      ± 9 horas

      Claro que os empresários irão jogar no custo do produto e quem vai pagar será o consumidor no balcão. Eita!!!

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • F

        Fernando Lopes

        ± 19 horas

        Tudo cheio de formuletas e pegadinhas. Tínhamos um sistema tarifário com categorias, e período seco e úmido. Hoje temos essa porcaria de bandeiras, imprevisíveis, e agora mais uma novidade. Quanto mais complicado, pior para o planejamento e para saber se investimentos em eficiência energética são viáveis, ou não. Fora que escondem uma carga tributária de mais de 50% do preço do produto (o tal cálculo por dentro e por fora). Como disse Roberto Campos: O Brasil não corre o menor risco de dar certo.

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        3 Respostas
        • M

          Melissa Oliveira

          ± 5 horas

          As bandeiras são punições pelo mal planejamento no setor.

          Denunciar abuso

          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

          Qual é o problema nesse comentário?

          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

          Confira os Termos de Uso

        • M

          Melissa Oliveira

          ± 5 horas

          Pelo menos 20 anos de lambança em cima de lambança no setor elétrico, outorgas em renovações, usinas a fio d'água... Não entendo como conseguem?!

          Denunciar abuso

          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

          Qual é o problema nesse comentário?

          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

          Confira os Termos de Uso

        • P

          Plinio

          ± 8 horas

          As bandeiras vermelhas são jogadas em período de Picos,faça chuva demais ou não. Daí põem culpa nas termoelétricas que consomem combustível.Onokeondiesel teve aumento.Vamos começar nova ciranda de inflação?

          Denunciar abuso

          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

          Qual é o problema nesse comentário?

          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

          Confira os Termos de Uso

      Fim dos comentários.